Oclusão da Veia Central

A oclusão da veia central da retina é um bloqueio na veia situada no centro da retina que não permite que o sangue flua corretamente nos olhos. A doença subdivide-se em duas linhas, isquêmica ou não-isquêmica, dependendo do grau de oclusão da veia, sendo a primeira a mais alarmante.

Os casos isquêmicos são mais raros e proporcionalmente mais complicados. Cerca de 2 em cada 3 pacientes desenvolvem neovascularização da irís e consequentemente glaucoma.

Em geral, a oclusão da veia central acomete pessoas com problemas de coagulação, hipertensos e pacientes com glaucoma ou diabetes Melliteus.

Sintomas

Os principais sintomas de oclusão da veia central da retina são visão borrada, defeito no campo visual e hemorragias intrarretinianas. Além disso, é comum o paciente apresentar veias dilatadas e tortuosas.

Evolução da Doença

Estágio Inicial Estágio Intermediario Estágio Avançado

Causas

A doença pode ocorrer em pessoas com problemas de coagulação, glaucoma, diabetes e hipertensão. A causa da doença se dá devido à formação de um coágulo de sangue dentro da veia central da retina.

Tem cura?

Sim, porém deve ser tratada precocemente pois pode levar a cegueira.

agende uma consultaentre em contato

Tratamento da oclusão da veia central

O tratamento pode pode variar de acordo com o estágio da doença. Em alguns casos, tratamentos a laser são mais recomendáveis. Costuma-se utilizar o laser comum, de fotocoagulação e outro laser específico, o de micropulso. Em determinados casos, aconselha-se o uso de medicamentos intraoculares como complemento do tratamento, mas em situações mais alarmantes, como casos isquêmicos mais complexos, a intervenção cirurgica pode ser o meio mais eficiente de tratamento.

Cirurgia

A cirurgia de correção é a vitrectomia. A mesma utilizada para corrigir problemas como buraco de mácula e membrana-epirretiana.

Conheça a cirurgia de vitrectomia!

Importante:

Todas as informações contidas nesse site tem carácter informativo e educacional. Nenhuma providência deverá ser tomada sem consultar o seu oftalmologista, pois somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.